terça-feira, 18 de outubro de 2016

Os 4 sentidos Geeks.

Os Quatro "sentidos" Geeks!!


Os nerds de hoje (ou geeks como alguns preferem) estão cada dia mais aficionados por coisas de qualidades. Esses produtos que são consumidos por nós necessitam de 4 sentidos para aprimorarmos nossa nerdice interior: ler, ver, ouvir e jogar!

Cada um de nós pode preferir um sentido a outro e conduzimos nossos gostos dentro destes sentidos, por exemplo, há geeks que gostam de ler livros e não ver séries, outros apenas jogar o seu video game, o que está de bom tamanho. Contudo, para sermos o Geek Master Over Power do Universo temos de alcançar os 4 sentidos elevando nosso "cosmo" ao máximo, para assim acompanhar e assimilar todo o universo geek em expansão. 

No decorrer de cada sentido falaremos sobre pontos básicos para o aprimoramento da nossa nerdice e assim ampliar nossos conhecimentos. Mãos à obra Padawans.

1º Sentido - LER

Resultado de imagem para lendo livrosSabemos que a leitura é fundamenta, não somente para nosso intelecto mas também para nossa comunicação interpessoal. Contudo, ler qualquer coisa não basta, não vou falar mal de 50 Tons de Cinza, mas por favor, Senhor dos Anéis ou Harry Potter já sai em disparada a frente (kkkkkk). Todos dois são interessantes e tratam a fantasia de forma ampla e magnífica, porém, nada seria possível se Clive Steples Lewis não tivesse escrito As Crónicas de Nárnia em 1949. Quadrinhos/anime são interessantíssimos na leitura, pois já vemos os personagens ilustrados e facilita bastante o dinamismo e a velocidade para entender as histórias. Para quem já leu Batman: o Cavaleiros das Trevas, de Frank Muller, sabe que este e Watchman de Alan Moore são divisores de águas no quesito e devem ser tratados como tal.

2º Sentido - VER


Resultado de imagem para assistindo seriesAssistir à filmes, séries e desenhos estão cada vez mais ligados ao meio geek. Podemos afirmar que este sentido ampliou o marketing da cultura pop e fez muitas pessoas se interessarem por temas que antes estavam esquecidos, como: heróis, bruxos, lado negro, Força, Elfos, dragões e etc. o poder da imagem e som nos traz uma facilidade imensa de compreensão e agilidade. O dinamismo da 7ª arte pode nos deixar pasmos ou nos fazer chorar, eles tem o poder de unir e separar. É simplesmente fantástico você ver filmes como O Silêncio dos Inocentes ( The Silence of the Lambs) que ganhou 5 Oscars, ou uma série como The Big Bang Theory, são programas extremamente antagônicos e podem atingir a um público em comum. Isso é fantástico, e podemos amar ou odiar mais facilmente que um livro, pois basta trocar a programação. 

3º Sentido - OUVIR


Resultado de imagem para ouvindo musica boaA música está muito relacionada ao universo Geek, quem não se empolga ao ouvir a marcha Imperial? Ou quando acertam em fazer um trailer que é melhor que o próprio filme graças a uma boa trilha sonora (vide Esquadrão Suicida). Não precisamos ser músicos profissionais para termos bons gostos, se gostamos das melhores séries e lemos os melhores livros, nada como gostar das melhores bandas. Sabe-se que gosto não se discute, mas não há como negar a qualidade dos Beatles, Led Zeppelin, Black Sabbath, Rolling Stones e outros artistas que fizeram história. Conhecer alguns álbuns como: Led Zeppelin IV e Abbey Road, transcrevem o tempo para nos contar como eram bons os artistas de antigamente, isso não quer dizer que não haja aqueles de qualidade hoje, mas o mercado está tão saturado de coisas ruins que achar algo inovador é quase como garimpar discos nos sebos da cidade.

4º Sentido - JOGAR


Resultado de imagem para jogar gameAhhhh como isso é bom. Jogar renova a alma. Para alguns, ir a praia os faz feliz, jogar futebol, ir a academia, enfim, nos deixe jogar. Somos felizes e não incomodamos ninguém ao fazer isso. Jogos clássicos como Chrono Tigger, Donkey Kong , Super Mário ou Zelda nos fazem chorar e isso acontece por que sentimos saudades de jogos que marcaram nossa infância, e a nostalgia é algo cativante para qualquer ser humano. Claro que nos arrepiamos com Gears of War ou The Last of Us, mas a alegria que sentimos ao jogar Mario Kart ou Crash Team Racer nossos filhos sentirão no futuro. Jogar é mais que passar o tempo, é quase uma religião, é a hora sagrada que passa rápido e renova nossas baterias, trás os desafios que buscamos todos os dias, as conquistas e as platinas para cada vez sermos melhores. 

Portanto, não é uma tarefa fácil alcançar o nível "expert", inclusive para os mais dedicados. Ser mais que um Padwan, em todos os sentidos, exige uma disciplina muito grande, evidente que se tivéssemos a ajuda de Mestre Pai Mei, junto com a sabedoria de Yoda e a paciência do Mestre dos Magos tudo poderia ser mais rápido, mas tornar-se Mestre Geek é Uma História Sem Fim de aprendizados. 


sábado, 15 de outubro de 2016

Conhecendo Alan Moore

Por Leandro Beretta Nunes

Alan Moore


   É um dos escritores mais consagrados e admirados pelos fãs de HQ. Seus trabalhos servem como parâmetro na indústria dos quadrinhos. Escreveu obras como Watchmen, V de Vingança, Monstro do Pântano, Miracleman, Piada Mortal entre outros, e teve seu próprio selo: o premiado ABC (America’s Best Comics).  Moore costuma fazer grandes pesquisas em seus projetos, tomando-lhe muito tempo. Também por isso, é considerado um dos autores que revolucionaram os quadrinhos na década de 1980. Agora, depois de anos sem parar, ele planeja tirar férias.

Biografia

No princípio...

   Nasceu em 18 de novembro de 1953, em Northampton (Inglaterra), uma cidade industrial entre Londres e Birmingham. A infância e a adolescência de Moore foram influenciadas pela pobreza de sua família e do seu ambiente. Expulso de uma escola secundária conservadora, não foi aceito em qualquer outra. Em 1971, era um desempregado, sem qualquer qualificação profissional, exceto sua mente brilhante.

O Começo nos Quadrinhos...

   Em 1979, atuava como cartunista para a revista de música Sounds, onde escrevia e desenhava uma história de detetive chamada Roscoe Moscou, sob o pseudônimo de Curt Vile. Moore concluiu que era um ilustrador fraco e decidiu focar seus esforços em roteirizar.  Suas primeiras contribuições foram para a Doctor Who Weekly e o mais famoso título de ficção científica 2000 A.D., onde criou várias séries populares, como A Balada de Halo Jones, Skizz e D.R. & Quinch.
  Na Warrior, uma antológica revista britânica, começou duas importantes séries:  Marvelman (conhecido por Miracleman) e V de Vingança, um subversivo conto sobre a luta por liberdade e dignidade numa Inglaterra fascista. Ambas lhe conferiram o British Eagle Awards, como Melhor Escritor de Quadrinhos em 1982 e 1983.

A Vinda Para a América...

   Seus talentos lhe garantiram a sua primeira série americana: A Saga do Monstro do Pântano. Moore reinventou o personagem, enquanto seu enredo girava em torno de temas pesados (controle de armas, racismo, despejo de lixo nuclear, etc.). Exibindo grande profundidade e perspicácia em seu trabalho, demonstrou que podia escrever sobre um largo leque de tópicos e situações.
   Além do Monstro do Pântano, escreveu vários outros títulos da DC Comics, como A Legião dos Lanternas Verdes, um anual do Batman e algumas histórias do Superman.  
Em 1986, enquanto a DC Comics estava reconstruindo seu universo de quadrinhos, Moore escrevia Watchmen, a HQ que redefiniu o meio, com seus enredos detalhados, revelou um retrato realista dos super-heróis em um mundo que não os entendia nem confiava.
  Watchmen, (série em 12 partes e com arte de Dave Gibbons) é considerada por muitos como sendo a melhor HQ de super-heróis de todos os tempos, fazendo de Moore uma estrela. Ele terminou suas histórias para o Monstro do Pântano, completou a storyline de V de Vingança para a DC Comics e escreveu Batman: A Piada Mortal (com a maravilhosa arte de Brian Bolland).
   Porém, estava muito infeliz com o fato de não possuir os direitos de Watchmen. Ele sentia que não estava recebendo royalties adequados pela série. Além disso, naquela ocasião, havia discussões sobre implementar um sistema de classificação para as revistas de quadrinhos... o qual Moore era firmemente contra.

Espírito independente

   Uma vez livre da DC, começou vários projetos e no final dos anos 1980, deixou os quadrinhos mais comerciais e populares para trabalhar em editoras menores e independentes.
   Em 1988, montou sua própria editora, chamada Mad Love Publishing. Iniciou seus trabalhos em um roteiro com o empresário dos Sex Pistols (Malcolm McLaren), chamado Fashion Beast. Ele também começou Big Numbers (com o artista Bill Sienkiewicz), duas séries para a Tabu (de Steve Bissette), Lost Girls (com Melinda Gebbie) e a série Do Inferno (com Eddie Campbell), que reconstruiu os assassinatos de Jack, o Estripador em meticulosos detalhes.
   Moore também fez uma história pessoal chamada A Small Killing, com o artista Oscar Zarate., Porém, ter sua própria editora não foi bom, das séries iniciadas durante este período, somente Do Inferno foi concluída.
  Trabalhou para a editora/selo Image, onde escreveu 1963, um tipo de compensação para os péssimos roteiros de outros escritores que desembarcavam no meio dos quadrinhos como resultado de Watchmen. Também escreveu várias histórias para o Spawn de Todd McFarlane.
  Talvez o maior tesouro que recaiu sobre a Image foi a reinvenção feita por ele do personagem Supremo, uma versão mal finalizada do Superman, “criada” por Rob Liefeld. Moore construiu um personagem tanto nostálgico quanto inventivo e o levou aos dias áureos da DC Comics.
  Depois de um hiato de um ano provocado por problemas financeiros, a série do Supremo foi retomada.
O ABC da vida

   Moore passou a morar em Northampton e a trabalhar em várias séries: Tom Strong Adventures, A Liga Extraordinária, Supreme- The Return, Promethea e outros projetos que incluiu um CD, livros e seu envolvimento com magia.


quinta-feira, 29 de setembro de 2016

Vamos falar sobre Coisas Estranhas?

    Bom dia, boa tarde, e boa noite para você que está preso no mundo das sombras!

    Hoje iremos falar sobre Stranger Things, a "nova" série da Netflix que dominou o coração de muita gente, inclusive o meu.

    A premissa básica é: uma obra dos anos 80, possuindo referências à vários filmes da época. Para ter uma noção do tamanho da nerdice, ela inicia com os jovens protagonistas, jogando RPG no porão de casa, e não é Skyrim, Zelda ou Final Fantasy mas sim Dungeons And Dragons, DE TABULEIRO (A emoção é impactante já neste momento). 

    Ambientada na cidade fictícia de Hawkins (sim, de homônimo do cientista), ela conta a história do desaparecimento do jovem Will, o qual ocorre misteriosamente por um ser, que podemos considerar, não deste planeta. Então seus amigos passam a procurá-lo arduamente no decorrer da série.

    Seus criadores os irmãos Matt e Ross Duffer (o qual não haviam criado nada de relevância até o momento), obtiveram sucesso na Netflix após serem negados por mais de 25 emissoras norte americanas (que devem estar se remoendo neste momento devido ao grande sucesso que a série alcançou).

    Além de suas ambientações dos anos 80, a série conta em seu elenco com Winona Ryder e David Harbor, incluindo o elenco mirim, até então vivendo no mundo invertido, Finn Wolfhard como Mike Wheeler, Gaten Matarazzo como Dustin Henderson, Caleb McLaughlin como Lucas Sinclair e a queridíssima Millie Bobby Brown como Eleven, ou se preferirem El, ou Onze ou On - ao meu gosto, as traduções literais ficam realmente bizarras.

    Com o desaparecimento de Will, inicia-se na cidade de Hawkins um grande mistério, permanecendo assim até o final da temporada e se mantém para a sequência. Esse quebra-cabeça está sendo explorado e difundido de várias maneiras na internet, mas o que mais chamou a atenção é a Teoria do Brasileiro (e podem colocar assim mesmo no google "teoria do brasileiro stranger things"). Ele realmente disseca a série para expor o seu ponto de vista.

     Como a Netflix não é de enrolar as estórias de seus produtos, não há de ser diferente com este, e a trama se desenrola rapidamente, podemos acompanhar toda a emoção e desenvoltura dos personagens. A nossa protagonista El, possui poderes psíquicos dos quais ela não exita em usar quando ameaçada e o mostro sequestrador deixa seu rastro de sangue apavorando a cidade gênio da série (entenderam a referência? kkkkkk). Portanto cada um dos 8 episódios são reveladores, emocionantes e assustadores.

    Não quis dar spoiler aqui, já que esta obra precisa ser vista e interpretada por cada um de nós. Vocês não imaginam como é difícil falar desta série sem contar mais detalhes, pois há MUITOS detalhes e MUITAS explicações a serem dadas e consumidas pela nossa mente invertida... \o/

Obrigado


By Fábio Canabarro

Acesse:
www.geekstuffs.com.br
www.facebook.com/lojageekstuff



quinta-feira, 15 de setembro de 2016

Vamos falar sobre Narcos??

Vamos falar sobre Narcos??

ALERTA, SPOILER (tem poucos, mas nada de mais)!!!!

Certamente você já ouviu falar sobre Pablo Escobar, o grande narcotraficante da Colômbia, pensando nisso, a Netflix teve uma sacada genial de retratar de modo fictício a trajetória da ascensão do Cartel de Medellín,  que teve Pablo como líder. A série NARCOS já conta com duas temporadas, por essas e outras, é o tema escolhido da semana aqui no blog. Aproveite a leitura!

Com produção executiva de José Padilha, é fácil perceber a influência dele no estilo de filmagem e na violência retratada na série. O nosso querido Capitão Nascimento (Wagner Moura) agora está do outro lado da moeda interpretando Pablo Escobar.  Sua atuação é esplêndida e ele realmente nos passa a imagem da maldade ao assumir seu personagem. 

Narcos é ambientada na Colômbia e retrata especificamente a ascensão do Cartel de Medellín e seu líder. Quem narra a história é o agente do DEA (Drug Enforcement Agency) -  agência antidrogas dos Estados Unidos - Steve Murphy. Ela está agindo na Colômbia para caçar narcotraficantes que enviam drogas para os EUA, é retratado também a questão política disso, ou seja, de que forma influenciaria a política americana apreender/eliminar Pablito. Isso tudo demonstra que o assunto principal não é Pablo Escobar, e sim os narcotraficantes, apesar do destaque que o personagem assume na série.

Inúmeras cenas tem seu cunho de verdade, mas lembrando que é uma história baseada em fatos reais, portanto algumas dramatizações não são reais. Isso, evidente, coloca em dúvida aquilo que é real e o que não é, entenderam??kkkkk. Por exemplo, os agentes do DEA, Murphy e Peña (que é nosso querido Oberyn  Martel, Game Of Thrones) hoje são ex-agentes e ministram cursos sobre combate às drogas (eles auxiliaram na produção com relatos). O filho do Pablo se mostra controverso a vários acontecimentos, podem verificar isso no link (clique aqui), e inclusive, ameaçou processar a Netflix por retratar fatos falsos sobre seu pai, mas por favor né, como disse anteriormente, é uma obra de ficção.

Em sua segunda temporada, ela retrata a decadência do império de Escobar. Wagner Moura, sendo o ator brilhante que é, conseguiu transmitir muita sensibilidade através do mostro Escobar, mas convenhamos, seu sotaque não foi dos melhores, e aquela barriga fake rende algumas risadas no decorrer da série (kkkkkk). Contudo temos muita tensão e violência, tanto na primeira quanto na segunda temporada.

O que é muito impressionante neste tipo de série é que muitas vezes torcemos para os vilões se darem bem. Sabemos como a história de Pablo Escobar termina, mas no decorrer da narrativa quase esquecemos que ele foi responsável por mais de 6000 assassinatos diretos (estimativa) e por atentados à aviões e repartições públicas. Esses fatos são retratados de forma bem rápida, mas são de suma importância para discernirmos a realidade da ficção. Com todo esse histórico, chegamos a seguinte conclusão: o chefe do cartel de Medellín não merece um final menor do que a morte. 

A série já confirmou mais 2 temporadas, mas sobre o que irão falar: ainda é um mistério, já que o homem mais procurado de todos os tempos já teve seu destino traçado nos episódios apresentados. Em resumo, a minha opinião é que esta narrativa está terminada e muito bem terminada, contudo , sabemos que o sucesso gera frutos e eles querem aproveitar o máximo da repercussão que esta obra está tendo, por isso realizar mais duas temporadas. 

Bem essa é a nossa visão sobre a série, em suma, ela tem ótima fotografia, elenco (mesmo com o sotaque bizarro do Patrón), o texto é bom e a forma como é filmada realmente nos coloca dentro do cartel de Medellín. Vale a pena assistir!!!!

Se você se interessa pela história do maior narcotraficante de todos os tempos, segue algumas dicas:

Livros:


  • Pablo Escobar Meu Pai - JUAN PABLO ESCOBAR (Filho);
  • Pablo Escobar El Patrón Del Mal , ALONSO SALAZAR (jornalista colombiano).


Series e documentários:


  • Pablo Escobar - El Patron Del Mal
  • Quem Matou Pablo Escobar


Espero que gostem, aguardamos sugestões, críticas e elogios!!!

A propósito, "PLATA OU PLOMO??" KKKKK

Forte Abraço!!!





sexta-feira, 26 de agosto de 2016

10 Séries que devem ser assistidas

10 SÉRIES QUE DEVEM SER ASSISTIDAS!

Todos os dias nos deparamos com algumas situações, tanto com amigos quanto com pessoas desconhecidas, ao falarmos de algumas séries que estamos vendo ou já vimos e temos a triste resposta “Eu ainda não vi essa!”, por ora o assunto acaba e seguimos para outra série ou outro assunto mesmo. kkkkk 
Pensando nesses momentos, resolvemos indicar 10 séries das quais 5 ainda estão em andamento e as outras 5 já finalizaram.

  • 5 Series que já encerraram e são ótimas:
1 Prison Break - Apesar da série ter confirmado mais uma temporada recentemente, até vermos os novos episódios, consideramos ela muito bem terminada. Criada em 2005 por Paul T. Scheuring, relata a história da fuga de dois irmãos de uma penitenciária de segurança máxima. Sua avaliação crítica é de 65 e pelos usuários ficou em 90. 

2 Breaking Bad -  Série muito bem produzida e criada por Vince Gilligan em 2008. Ela entra fundo no psicológico dos personagens, o que garante atuações fantásticas do elenco. Retrata um professor de química que descobre seu câncer terminal e começa a produzir drogas para sustentar sua família. Tem avaliação 73 pelos críticos e 92 pelo público. Além disso, ganhou inúmeros prêmios pelo Emmy Awards.

3 How I Met Your Mother - Criada por Craig Thomas e Carter Bays em 2005 e conta com 9 temporadas. Retrata a história, exatamente como o nome da série : "Como eu conheci sua mãe". Com piadas do cotidiano e um toque bem emotivo a série é muito gostosa de ser assistida com episódios curtos de 20 minutos, tem uma avaliação de 69 pelos críticos e 85 pelo público.

4 Dexter - Série americana de drama/suspense estrelado por Dexter Morgan (Michael C. Hall), criada em 2006 por James Manos Jr. e é composta por 8 temporadas. A série conta a história de um serial killer que trabalha como analista forense da polícia de Miami. Dexter tem avaliação dos críticos de 77 e do público de 91. 

5 Sons Of Anarchy - Se você aprecia motos, ação e dramas intensos, precisa assistir a esta série. Criada por Kurt Sutter (O criador interpreta um personagem na série, adivinhe qual?) em 2008 e conta com atores de peso, como: Ron Pearlman (Clay) e Charlie Human (Jax Teller). A série se desenrola na cidade fictícia de Charming onde há o Sons Of Anarchy Moto Club Rerwood Original ou SAMCRO \o/. Ela conta com 7 temporadas  e tem uma avaliação de 68 pelos críticos e 84 pelos usuários, 

  • 5 series que ainda estão em andamento
1 Game of Thrones - GoT como é conhecida, retrata a briga pelo trono (conforme o próprio nome da série diz) e é baseada nas Crônicas de Gelo E fogo de George R. R. Martin, porém foram David Benioff e D. B. Weiss, em 2011, que criaram a série de TV. A história se desenrola na idade média tendo intrigas, guerras, traições e muitas outras situações na corrida pelo poder. Para alguns fanáticos "Power is power" (Cercei Lannister). Possui avaliação dos críticos de 80 e do público de 91.

2 House of Cards - Criação de Beau Willimon em 2013, uma série original Netflix como várias outras, porém com o diferencial de ter Kevin Spacey e Robin Wright, (ambos com a sua 4ª indicação ao Emmy Awards). Ambientada no congresso americano, ela aborda as questões do "poder", e assim como outras séries nos faz torcer pelos vilões (kkkkk). Com texto espetacular e produção bem direcionada ela alcança 76 pontos nos críticos e 90 pelo público.

3 How to Get Away With Murder - Como sair impune de um assassinato?  Olha, essa é uma pergunta da qual a série tenta responder a todo o momento. Criada por Peter Nowalk em 2014, cria um ambiente de tensão com atuação esplêndida de Viola Davis, deixando a série mais interessante, ainda mais se você gosta de ver os tribunais retratados na telinha. Os críticos avaliam com 68 e os admiradores 78.

4 Mr. Robot - Como ver algo que exploda a sua cabeça ao apresentar um personagem? Veja Mr. Robot! O primeiro episódio mostra o tom e a tensão que ela tende a seguir, está em sua segunda temporada e queremos mais. Criada por Sam Esmail, centra a história em Elliot (Remi Malek), um jovem totalmente transtornado, viciado e, claro, um gênio hacker. A série demostra como a internet contém informações que nem imaginamos e de que maneira elas podem ser usadas (para o bem e para o mal). Tem uma avaliação crítica de 79 e dos telespectadores de 86. 

5 Vikings - Produzida pelo History Channel e criada por Michael Hirts, ela vai apresentá-los a forma Viking de ser, sua cultura e costumes, além de muita guerra, sangue, sexo e drama. Com fotografia magnífica, maquiagem e figurino muito bem apresentados para representar a cultura nórdica. Ela possui a personagem feminina mais encantadora de todas, Lagertha (Katheryn Winnick), segurando seu escudo e dando porrada em vários homens. Apesar do personagem principal ser o Ragnar, gostamos mais de Lagertha e por esse motivo não vamos falar dele (kkkkkkk). A serie é avaliada pelos críticos em 71 e os vikings avaliam em 78. 


Meus queridos, espero que tenham gostado de nossas sugestões, estamos abertos a opiniões, elogios, críticas e abraços. 

Deixem seu comentário. 

Acesse nosso site: www.geekstuffs.com.br

OBS: As avaliações foram retiradas do www.metacritc.com site americano especializado. 

terça-feira, 16 de agosto de 2016

Adaptações cinematográficas!!!!!


    Não é de hoje que a adaptação de livros e quadrinhos para a telona surgiu. Sempre houveram cineastas interessados em boas estórias, e traduzi-las em imagens e sons não é uma tarefa fácil. Conquanto, há uma carência de roteiros originais no universo cinematográfico atual e, cada vez mais, os grandes estúdios garimpam a literatura e quadrinhos à procura de adaptações para o cinema.

    A inovação tecnológica também ajudou os diretores e produtores em suas empreitadas. Como fazer um filme dos Vingadores a 20 anos atrás? Seria muito engraçado vermos um filme do Homem Formiga (Peyton Reed) com os efeitos de Querida Encolhi as Crianças (Joe Johnston), evidente que este é fantástico, não me entenda mal, porém seus efeitos estão dentro de outra época. O desenvolvimento dos efeitos visuais contribui de forma significativa para a realidade das adaptações, desta maneira, o âmbito cinematográfico foi ampliado. Há também, aquelas adaptações sem grandes efeitos visuais. e que contam uma boa história. Adaptações que já foram feitas e refeitas como, por exemplo, o livro O Grande Gatsby de F. Scott Fitzgerald que foi publicado em 1925 e contou com 5 adaptações (1926, 1949, 1974, 2000 e 2013), em sua última filmagem, conta nada mais nada menos com, Leonardo Di Caprio no papel principal de Gatsby, sendo esta, considerada  a melhor adaptação do seu livro.

    É comum nos depararmos com a clássica frase - "o livro é muito melhor do que o filme" - e isso faz sentido, pois na literatura nós que pensamos as cenas, as entonações, as características dos personagens, ambientes, ou seja, vemos o "filme" à nossa maneira e não através da tela, que reproduz aquilo que o diretor acredita ser a forma mais adequada à adaptação. Realizar a proeza de transcrever literatura (e isso inclui as HQs) em filmes, não deve ser levado ao pé da letra em seu conteúdo, deixe-me explicar: qual o objetivo de vermos um filme igual a um quadrinho ou livro? Adaptação não é cópia, significa que a obra foi inspirada, mas não precisa necessariamente ser igual.

oscars  happy excited leonardo dicaprio oscars
   
     Neste ano de 2016 temos mais de 20 adaptações indo para as telonas entre elas A 5ª Onda (J. Blakeson como diretor e Chloë Grace Moretz no papel principal), A Escolha (adaptação de Nicholas Sparks), O Regresso (que rendeu o caneco para Leonardo Di Caprio e é do livro de autoria de Michael Punke),  Inferno (de Dan Brown com Tom Hanks elencando o filme) e Animais Fantásticos e Onde Habitam ( no mesmo universo onde aconteceu a famosa saga de Harry Potter, com o ganhador do Oscar de melhor ator pelo filme A Teoria de Tudo, Eddie Redmayne).

game of thrones hbo drunk drinking drink    Além da cinematografia, o que está muito em alta são as séries de TV que contam com inúmeras adaptações, e só estamos falando sobre isso para ninguém dizer que esquecemos do The Walking Dead e Game of Thrones, que são adaptações magníficas de fazer-nos escorrer as lágrimas pelo rosto de tão lindas. Sabemos que elas divergem em vários pontos de seus manuscritos originais, mas isso não diminui a sua importância pois ambas contam com ótimos atores e personagens queridos pelos fãs como: a Rainha Cersei Lannister (magnifica \o/) e o padre maldito que não faz nada direito Gabriel Stokes.

   

    Buenas, desejamos que todos aproveitem as suas adaptações, preparem os baldes de pipoca e os engradados de guaraná (e tem que ser Fruki, que é melhor que os demais kkkkkk), pois tem muita coisa boa vindo por aí. E não esqueça, são adaptações, elas tem que ser diferentes por que se forem iguais aos seus originais não há por que fazê-las.

OBS: comente com a sua adaptação preferida e forte abraço!!!!


  

   

sábado, 30 de julho de 2016

Porque a Netflix é super demais

Porque a Netflix é super demais !!!!!!!


    A internet trouxe inúmeros benefícios para a sociedade, que para descrevê-los teríamos que realizar, praticamente, uma tese de doutorado. Desta maneira, o acesso à informação (tanto boa quanto ruim) está cada dia mais facilitado. Separamos o que vamos consumir, ou não, dentro deste emaranhado universo cibernético (excessos de substantivos, para excessos de informações inúteis, kkkk) é um complexo trabalho que requer tempo, e isso não é luxo que podemos ter. O tempo é o que há de mais significativo (e relativo) em nossas vidas, contudo, utilizá-lo com aquilo que mais apreciamos é uma sabedoria para poucos.

    Esse é um dos motivos que a Netflix é boa. Você não precisa esperar, utiliza o tempo a seu favor. Conciliar as séries preferidas, com os games, livros, quadrinhos, namoros, festas,  ahhhhhhhhh.... já está faltando tempo para falar de tudo isso. Daqui a pouco teremos faculdades e cadeiras obrigatórias para gestão do tempo. \o/ A maioria das séries originais saem com todos os episódios da temporada, o que geralmente, para muitos, significa uma maratona com um pacote de pipoca e 2 litros de guaraná (pipoca na panela começa a arrebentar - quem lembra dessa???). Existe algo mais irritante do que esperar uma semana para ver se o Glenn vai morrer ou não? Ou quem vai defender Tyrion Lannister em seu julgamento por combate?  Nossa!!! Isso tudo é uma espera frustrante :(.


Outro motivo interessante é que pode-se acessar de onde estiver, no intervalo do trabalho, pelo computador, pelo celular ou tablet. Isso torna a nossa programação totalmente dinâmica, pois nós decidimos o que ver e principalmente quando ver. Não precisamos programar o despertador para soar 5 min antes da série começar, e nem precisamos estar em casa para isso, além do mais, o que torna extremamente interessante: não há comerciais, o que é um alivio para a mente, que recebe muita informação durante o dia e não precisamos ficar vendo comerciais bestas sobre coisas que não queremos consumir.

    Além destes fatores, as produções originais compõem elencos e produções "super top", como por exemplo, Kevin Space (House of card), José Padilha e Wagner Moura (Narcos), irmãos Wachowski (Sense 8), Winona Ryder (Stranger Things), entre muitos outros (não me culpem se esqueci de falar do seu preferido, mas deixe nos comentários, por favor). Isso impacta diretamente na qualidade do material que é gerado, e a exigência dos consumidores aumenta cada vez mais. Isso produz o efeito da expectativa, pois a Netflix, está aumentado o nível das produções, e isso gera outras séries maravilhosas, como por exemplo, How To Get Away With Murder e Mr. Robot.

    Para concluir nossa análise/sugestão, temos um fator crucial na atual conjuntura econômica do país, o PREÇO. A Netflix chega a custar 10 VEZES menos que uma TV por assinatura e têm todos os tipos de programações, séries, filmes, desenhos, animes e documentários. Portanto, todos que gostam de ficar em casa praticando o deboísmo (ato de permanecer de boa o maior tempo possível), devem assinar o serviço e usufruir de toda a beleza proporcionada por ele!



   Afinal de contas, a Netflix é super demais!!!

By Fábio Canabarro